Resumo dia 01 – I Seminário ATC do Cindacta II

A Drakon esteve presente no primeiro dia do I Seminário ATC do Cindacta II em 30 de agosto de 2016 e, se você não pôde comparecer, compilamos as informações mais importantes compartilhadas.

1º Painel: Tráfego Aéreo no Brasil e no Mundo

Após a cerimônia de abertura do evento o Ten. Fagundes deu início ao primeiro painel do dia “Tráfego Aéreo no Brasil e no Mundo”.

O fluxo de tráfego aéreo global tem dobrado a cada 15 anos e, preocupada com este dado, a ICAO criou o comitê F.A.N.S (Future Air Navigation System) desde o final da década de 80.

O objetivo deste comitê é desenvolver e implementar melhorias em três vertentes: Comunicação, Navegação e Vigilância (CNS – Communication, Navigation and Surveillance).

No Brasil a implementação destas medidas compõe o projeto SIRIUS, sendo apresentado neste painel o planejamento para a Vigilância ADS-B e Navegação DME-DME.

Com a implantação do ADS-B o espaço aéreo brasileiro estará mais seguro. Esta tecnologia possibilitará que as aeronaves equipadas colaborem com o sistema, fornecendo informação de tráfego para as estações receptoras e demais aeronaves ao seu redor.

Outro ponto positivo desta tecnologia é seu baixo custo de implantação quando comparado aos equipamentos Radar. Além disso, o ADS-B possibilita vigilância a baixíssimas altitudes e regiões montanhosas, áreas nas quais o Radar possui dificuldades.

Vale ressaltar que esta tecnologia irá complementar o serviço Radar e não substituí-lo, oferecendo assim redundância de informações.

O uso do ADS-B (modalidade ADS-B out) já está em fase inicial nas Bacias Petrolíferas e a expectativa é que ele seja obrigatória no Brasil a partir de 2022.

Ao final do último painel, foi apresentada a Navegação DME-DME que visa complementar a tecnologia de navegação por GNSS a fim de evitar a dependência de um sistema único.

A navegação DME nada mais é do que uma rede de estações DME que irão fornecer com precisão a posição das aeronaves durante as diversas fases do voo, bem como validarão as informações GNSS, oferecendo maior nível de segurança nos procedimentos RNP.

2º Painel: Tráfego Aéreo na Terminal Curitiba

Neste painel o SO Fábio e a 2S Priscila apresentaram a Terminal Curitiba (TMA-WT) e suas principais inovações.

O novo sistema de controle de tráfego, chamado SAGITARIO, fornece diversas ferramentas para auxiliar os profissionais e oferecer maior segurança.

Outro sistema inovador é o AMAN (Arrival Manager) que, por meio de diversos parâmetros, consegue ordenar os tráfegos que se encontram no ingresso na Terminal, alertando o operador quando há necessidade de incrementar a separação e facilitando a tomada de decisão pelo mesmo.

Não somente os novos sistemas, a inclusão de um novo colaborador com a função de supervisão oferece maior segurança e eficiência tanto no controle de aproximação quanto na torre Curitiba.

Outras novidades são a ativação da posição Clearance (Autorização de Tráfego) quando necessário, autorização do plano de voo por dados (DCL) e envio de informações ATIS por texto (D-ATIS).

3º e 4º Painéis: Infraestrutura Aeroportuária SBCT e SBBI.

No período da tarde foram apresentados os painéis sobre a Infraestrutura Aeroportuária do Aeroporto Internacional Afonso Pena e do Aeroporto do Bacacheri de Curitiba.

O gestor da Infraero, Antônio Pallu apresentou um breve histórico do Afonso Pena e sua estrutura atual.

Em seguida, a responsável pela segurança do SBCT trouxe o estudo de caso das obras de substituição do pavimento asfáltico realizado em 2012. Explicou que novos métodos construtivos e jornadas alternativas evitaram o fechamento do aeroporto durante as obras, inovação que foi replicado em outros aeroportos brasileiros.

Outro ponto de destaque do Afonso Pena foi sua Certificação Operacional pela ANAC em Junho deste ano, atestando os mais elevados níveis de segurança nas operações aéreas.

Segundo os palestrantes o futuro trará novos desafios. Um edifício garagem irá dobrar o número de vagas para veículos, a utilização de um Radar de Solo facilitará as movimentações em baixa visibilidade, novas casas de força garantirão o fornecimento de energia elétrica para todo o complexo e melhorias nas taxiways melhorarão o fluxo das aeronaves em solo.

É claro que o assunto pista de pouso fez parte deste painel. Foi apresentado o projeto da terceira pista do Afonso Pena . Conforme o projeto, esta possibilitaria operações simultâneas e colocaria o SBCT em destaque com uma pista de 3.200 a 4.000 metros de comprimento.

Quando o assunto foi o Aeroporto do Bacacheri, o Sr. Márcio, que é o encarregado de segurança operacional do SBBI pela Infraero, subiu ao palco.

Após um breve histórico, ele nos revelou a importância do Bacacheri na rede da Infraero, pois é um dos mais rentáveis do sistema, girando em torno de 24 mil operações de pouso e decolagens anualmente.

Alguns projetos para melhoria do SBBI estão em fase de desenvolvimento, como a readequação das cabeceiras (inclusão de recuo na 36 e redução de recuo na 18),que incrementará em 100m o trecho disponível.

Outras novidades serão a reforma do pátio de aeronaves e vias de serviço, além de novos hangares.

Uma curiosidade é a parceria com uma empresa especializada em Falcoaria que utilizará aves de rapina para reduzir o risco aviário nas operações do Bacacheri.

A Drakon concluiu que este primeiro dia foi extremamente informativo para todos os aviadores que operam na região e trouxe diversas inovações que irão aprimorar a segurança.

Amanhã, no segundo e último dia do Seminário ATC, serão apresentados mais cinco painéis (confira abaixo) e assim como hoje, nós iremos trazer todas as informações a vocês!

  • 1º Painel: Principais Mudanças na Terminal Curitiba
  • 2º Painel: SIPACEA – Casos Concretos
  • 3º Painel: Responsabilidades Jurídicas
  • 4º Painel: Drones